Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em Berlim 27/09/2017 REUTERS/Fabrizio Bensch

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - O partido conservador da Baviera, União Social-Cristã (CSU), quer que as negociações para formar um novo governo alemão foquem em segurança e na redução da imigração, disse uma autoridade graduada da legenda, após significativos ganhos por parte de um partido de extrema-direita na eleição de domingo.

Tanto o CSU e seu partido irmão nacional, o União Democrata-Cristã (CDU), da chanceler Angela Merkel, perderam apoio para o anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD), que se tornou o primeiro partido de extrema-direita a entrar no Parlamento alemão em meio século.

O bloco conservador de Merkel, CDU-CSU, iniciou negociações de coalizão com os pró-mercado Democratas Livres (FDP) e com os Verdes, mas os partidos têm posicionamentos diferentes em uma gama de questões, incluindo imigração, energia, tributação e Europa.

Markus Soeder, do CSU, sinalizou que seu partido quer tender para a direita para enfraquecer o apelo do AfD a seus eleitores, antes de uma eleição estadual na Baviera no próximo ano, complicando ainda mais os planos de Merkel para uma abrangente coalizão de três partes.

"O CSU está enfrentando um desafio existencial", disse Soeder na noite de quarta-feira, acrescentando uma perda de mais de 10 pontos percentuais, chegando a 38,8 por cento dos votos na Baviera, foi "muito insatisfatória".

"Nós queremos que limites superiores (para imigração) e questões de segurança estejam no centro das negociações de coalizão. Se nós não mandarmos um sinal claro sobre isso, então teremos problemas no futuro", disse Soeder.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters