Reuters internacional

CABO CANAVERAL, Flórida (Reuters) - Peggy Whitson, da NASA, que em breve se tornará a astronauta norte-americana mais experiente em termos de tempo passado no espaço, assumirá o comando da Estação Espacial Internacional no domingo, com dois tripulantes russos e um norte-americano preparados para voltar à Terra.

Para Whitson, de 57 anos, é o seu segundo turno no comando da estação de 100 bilhões de dólares, um projeto multinacional supervisionado pela NASA e pela agência espacial russa, a Roscosmos.

Em 24 de abril, Whitson terá passado mais tempo no espaço que qualquer outro astronauta norte-americano, ultrapassando o atual recorde norte-americano de 534 dias, mantido por Jeff Williams, 59 anos, da NASA. Ela já detém os recordes de mulher que passou mais tempo no espaço e mulher que passou mais tempo fazendo caminhadas no espaço.

"Ela estabelecerá outro recorde neste momento", disse o comandante dos Estados Unidos, Shane Kimbrough, que está de saída, durante a cerimônia de mudança de comando transmitida pela NASA TV. "Ela se tornará a primeira mulher que comandou a Estação Espacial Internacional duas vezes".

Kimbrough e seus colegas russos Sergey Ryzhikov e Andrey Borisenko devem encerrar uma missão de 173 dias na segunda-feira, com um pouso de paraquedas no Cazaquistão às 8h21 (no horário de Brasília).

Seus substitutos, Jack Fischer, da NASA, e Fyodor Yurchikhin, da Roscosmos, devem chegar à estação, que está 400 quilômetros acima da Terra, em 20 de abril.

As agências espaciais russa e norte-americana concordaram na semana passada em estender a missão de Whitson em três meses para completar a tripulação de três membros.

Whitson foi à estação em novembro com o russo Oleg Novitskiy e o francês Thomas Pesquet. Os homens voltarão à Terra sem Whitson em 2 de junho.

Ela deve retornar à Terra em setembro com Fischer e Yurchikhin, após ter conquistado um recorde norte-americano de 665 dias em órbita. O cosmonauta russo Gennady Padalka, com 878 dias em órbita, é a pessoa que passou mais tempo no espaço.

(Por Irene Klotz)

Reuters

 Reuters internacional