Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vice-presidente dos EUA, Pence participa de reunião com líderes da oposição da Geórgia em Tbilisi 1/8/2017 REUTERS/Shakh Aivazov/Pool

(reuters_tickers)

Por Margarita Antidze

TBILISI, Geórgia (Reuters) - O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse nesta terça-feira que as relações com a Rússia não vão melhorar até Moscou mudar sua postura em relação à Ucrânia e desistir de apoiar "regimes como o Irã, a Síria e a Coreia do Norte".

Na semana passada o Congresso dos EUA aprovou novas sanções contra a Rússia e, em uma coletiva de imprensa na capital da Geórgia, Tbilisi, Pence disse que a "suspensão de sanções exigirá que a Rússia reverta as ações que causaram a imposição de sanções em primeiro lugar".

    "As ações desestabilizadoras da Rússia na Ucrânia, seu apoio a regimes rebeldes como Irã, Síria e Coreia do Norte... sua postura tem que mudar", afirmou na coletiva de imprensa com o primeiro-ministro da Geórgia, Giorgi Kvirikashvili.

    Pence disse que o presidente norte-americano, Donald Trump, vai assinar uma lei efetivando as novas sanções à Rússia nesta semana e que Trump e o Congresso estão "falando com uma voz unificada".

    Coerente com a linha adotada por governos norte-americanos anteriores, Pence também repudiou a presença russa na Geórgia.

Moscou, cuja anexação da ucraniana Crimeia em 2014 provocou sanções dos EUA e da União Europeia, ainda tem tropas posicionadas em solo georgiano desde uma guerra de 2008 causada pela disputa pela região separatista da Ossétia do Sul e apoia a Abkházia, região da Geórgia também controlada por separatistas pró-Rússia.

Pence ainda disse que seu país continua apoiando a aspiração da Geórgia de se filiar à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

"Continuaremos a trabalhar de perto com este primeiro-ministro e o governo da Geórgia amplamente para impulsionar as políticas que facilitarão que ela se torne um membro da Otan", disse.

Reuters