Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pence em entrevista em Bruxelas 20/2/2017 REUTERS/Francois Lenoir

(reuters_tickers)

Por Roberta Rampton e Alastair Macdonald

BRUXELAS (Reuters) - O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, procurou tranquilizar a União Europeia em Bruxelas nesta segunda-feira dizendo que o governo do presidente Donald Trump irá manter e desenvolver as décadas de parceria no comércio e na segurança com o bloco.

Donald Tusk, que preside o Conselho Europeu de líderes da UE, disse a repórteres que Pence lhe deu respostas afirmativas quando indagado sobre sua visão de três temas essenciais –a importância da ordem mundial baseada na lei internacional, a segurança baseada na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e a ideia de uma Europa unida.

"Depois de uma declaração tão positiva, tanto europeus quanto norte-americanos devem simplesmente fazer o que pregam", disse ele em um comunicado após o encontro.

Trump alarmou líderes da UE ao aprovar a decisão britânica de sair do bloco e insinuando no mês passado que outros países podem seguir o exemplo. Pence passou o final de semana na Alemanha tentando convencer os europeus de que Trump está comprometido com o pacto de defesa da Otan, mas não conquistou todos.

Segundo ele, seu chefe lhe pediu que fosse a Bruxelas, sede da UE, com uma mensagem adicional.

"Hoje tenho o privilégio de, em nome do presidente Trump, expressar o forte compromisso dos Estados Unidos de continuar a cooperação e a parceria com a União Europeia", afirmou.

"Sejam quais forem nossas diferenças, nossos dois continentes compartilham a mesma herança, os mesmos valores e, acima de tudo, o mesmo propósito de promover a paz e a prosperidade através da liberdade, da democracia e do Estado de Direito. E a estes objetivos continuaremos comprometidos."

Autoridades da UE disseram que Pence lhes garantiu não somente a continuação da parceria entre Washington e Estados europeus, mas também com as instituições da UE em Bruxelas, e que ele ainda lhes disse que Trump apóia a manutenção da coesão do bloco.

Os europeus ainda podem questionar até que ponto Pence fala por Trump, mas funcionários da UE disseram que o vice causou boa impressão e procurou aparar as arestas criadas pelo estilo público áspero do mandatário norte-americano.

Ex-primeiro-ministro da Polônia, Tusk se referiu em seus comentários ao apoio dos EUA, à época do presidente Ronald Reagan, ao povo polonês durante a lei marcial imposta pelo governo comunista em 1981 e do papel histórico de alguns líderes norte-americanos e europeus.

Reuters