Navigation

Pequim diz que novas leis de Hong Kong não prejudicam investidor, pede que países parem de se intrometer

Hong Kong, China S13/09/2019. REUTERS/Athit Perawongmetha/Foto de arquivo reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. maio 2020 - 17:00

Por Clare Jim e Yew Lun Tian

HONG KONG/PEQUIM (Reuters) - O escritório do Ministério das Relações Exteriores da China em Hong Kong rejeitou as preocupações de que suas leis de segurança nacional propostas para a cidade prejudicassem os investidores estrangeiros, reagindo aos países "intrometidos" enquanto os laços entre Pequim e Washington se deterioravam ainda mais.

A legislação de segurança, que pode fazer as agências de inteligência chinesas estabelecerem bases em Hong Kong, enviou calafrios às comunidades diplomáticas e de negócios, assustou os mercados financeiros e aumentou as tensões geopolíticas.

Autoridades do governo dos EUA disseram que a legislação acabaria com a autonomia da cidade governada pela China e seria ruim para as economias de Hong Kong e da China. Eles disseram que isso poderia comprometer o status especial do território na legislação dos EUA, o que ajudou a manter sua posição como um centro financeiro global.

Reino Unido, Austrália e Canadá expressaram "profunda preocupação" em uma declaração conjunta sobre as leis de segurança propostas que, segundo eles, prejudicariam o princípio "um país, dois sistemas" acordado quando Hong Kong retornou ao domínio chinês em 1997.

Banqueiros e headhunters disseram que isso poderia levar o dinheiro e o talento a deixar a cidade.

Um porta-voz do Gabinete do Comissário do Ministério das Relações Exteriores da China em Hong Kong disse em comunicado que o alto grau de autonomia da cidade "permanecerá inalterado, e os interesses dos investidores estrangeiros na cidade continuarão protegidos sob a lei".

A decisão de Pequim ocorre depois que os protestos pró-democracia em 2019 mergulharam Hong Kong em sua maior crise política desde a entrega.

O gabinete do comissário descreveu as declarações pelos "países intrometidos" como "duplo padrão e lógica de gangster".

"Não importa o quão venenosamente vocês nos difamem, provoquem, coajam ou chantageiem, o povo chinês continuará firme em salvaguardar a soberania e a segurança nacionais", afirmou o documento.

"Condenado é o plano de vocês de minar a soberania e a segurança da China, explorando os causadores de problemas em Hong Kong como peões e a cidade como fronteira para atividades de separação, subversão, infiltração e sabotagem contra a China."

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.