Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Separatista pró-Rússia fotografado ao lado de um veículo da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), no leste da Ucrânia. 30/072014. REUTERS/Sergei Karpukhin

(reuters_tickers)

KIEV (Reuters) - A Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), entidade voltada para direitos humanos e segurança, informou que seus monitores, acompanhados por peritos australianos e holandeses, chegaram nesta quinta-feira ao local da queda de um avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia, duas semanas depois da derrubada da aeronave.

Os combates entre rebeldes pró-Rússia e forças ucranianas na área mais ampla onde estão os destroços vêm frustrando os esforços dos peritos internacionais para chegar ao local com o objetivo de recolher restos humanos de vítimas e investigar a queda do avião.

"Os monitores da OSCE chegaram pela primeira vez ao local da queda do MH17 em quase uma semana, acompanhados por quatro peritos australianos e holandeses. Usaram uma nova rota para o acesso", informou a OSCE pelo Twitter.

"Eles agora vão fazer o reconhecimento inicial, de modo que possam começar as buscas tão logo possível, em uma visita posterior", disse um comunicado da missão holandesa.

A maioria dos peritos internacionais permaneceu na capital provincial, Donetsk, agora o principal reduto dos rebeldes separatistas na região.

O governo da Ucrânia e os separatistas acusam um ao outro pela derrubada do avião, que causou a morte de todas as 298 pessoas a bordo.

(Reportagem de Gabriela Baczynska)

Reuters