Reuters internacional

Vista geral do Conselho de Segurança da ONU, em Nova York. 28/04/2017 REUTERS/Lucas Jackson

(reuters_tickers)

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - A Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) elegeu Costa do Marfim, Guiné Equatorial, Kuweit, Peru e Polônia para o Conselho de Segurança da entidade, nesta sexta-feira, para um mandato de dois anos a partir de 1º de janeiro de 2018.

A Holanda foi eleita para um mandato de um ano após fechar acordo com a Itália no ano passado para dividir um mandato de dois anos. A votação entre os dois países foi alvo de impasse no ano passado, até que ambos chegaram a um acordo para a Itália ocupar a vaga em 2017 e depois renunciar para que a Holanda fosse eleita para 2018.

Apesar de todos os países eleitos estarem na disputa sem concorrentes, ainda assim eles precisavam de mais de dois terços do total de votos para obter seus assentos.

O Conselho de Segurança é formado por 15 membros, sendo 10 rotativos, além dos cinco permanentes que têm poder de veto: Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Rússia. A cada ano, cinco membros rotativos são eleitos para um biênio dentro do órgão. O conselho é o único órgão da ONU que pode tomar decisões de cumprimento legalmente vinculante e tem o poder de impor sanções e autorizar o uso da força.

Para garantir a representação geográfica do conselho cinco assentos são separados para países da África e da Ásia; um para o Leste Europeu; dois para a América Latina e Caribe e dois para a Europa Ocidental e outros Estados.

Normalmente os grupos regionais definem seus candidatos com antecedência, e disputas acirradas pelas vagas são muito raras.

(Reportagem de Michelle Nichols)

Reuters

 Reuters internacional