Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeiro-ministro do Peru, Fernando Zavala, em entrevista com a Reuters em Lima. 03/08/2016 REUTERS/Guadalupe Pardo

(reuters_tickers)

LIMA (Reuters) - O primeiro-ministro do Peru, Fernando Zavala, pediu na quarta-feira a empreiteiras acusadas de corrupção que não participem dos processos de licitação para reconstruir zonas afetadas por graves inundações no país.

A Graña y Montero, maior construtora do Peru e ex-sócia da Odebrecht, foi denunciada pela procuradoria peruana pelo crime de conluio por haver supostamente participado do pagamento de propina. 

"Quero enviar uma mensagem clara às empresas que integraram o consórcio de obras que agora são questionadas... creio que, até que se esclareça o tema das investigações, não deveriam participar do processo de reconstrução", disse Zavala em uma coletiva de imprensa.

Segundo Zavala, isso lhes "daria a possibilidade de demonstrar, após as investigações, como atuaram. Mais que proibir, é instar estas empresas a não participar", acrescentou o premiê, exibindo uma mudança de posição.

Na semana passada Zavala havia dito que a restrição legal para que uma empresa tenha contratos com o Estado, inclusive aquelas que participaram de consórcios com a Odebrecht, é que exista uma sentença judicial de culpa.

(Por Ursula Scollo)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters