Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da França, Emmanuel Macron, no Palácio do Eliseu, em Paris. 14/05/2017 REUTERS/Francois Mori

(reuters_tickers)

Por Sudip Kar-Gupta

PARIS (Reuters) - O partido do presidente da França, Emmanuel Macron, deve conquistar a maioria dos votos na eleição parlamentar de junho, mostraram pesquisas nesta segunda-feira, nas quais Macron também se saiu bem em termos de popularidade em geral.

A sondagem do instituto Odoxa para a rádio France Inter e a revista L'Express indicou que o recém-criado partido República em Marcha! (REM) de Macron irá tomar a dianteira com 29 por cento dos votos na votação legislativa, que acontece em dois turnos em 11 e 18 de junho.

O partido de extrema-direita Frente Nacional (FN) ficou em segundo lugar com 17 por cento dos votos, e o partido conservador Os Republicanos apareceu em terceiro, com 15 por cento. A sigla do político de extrema-esquerda Jean-Luc Mélenchon apareceu na quarta posição, com 14 por cento das intenções.

Uma segunda pesquisa também confirmou os resultados. A Harris Interactive/LCP previu que o REM irá conquistar 31 por cento dos votos no primeiro turno, a FN 19 por cento e os Republicanos outros 18 por cento.

Não ficou claro como estas cifras irão se traduzir em assentos e se significam que Macron irá conseguir a maioria que almeja.

O político de centro de 39 anos, eleito presidente em 7 de maio, espera obter uma maioria na Assembleia Nacional de 577 cadeiras que lhe permita levar adiante uma agenda de reformas cuja meta é ressuscitar uma economia abalada pelo crescimento lento, o alto desemprego e a falta de competitividade.

Outros levantamentos feitos neste mês indicaram uma maioria provável para o REM. Mas, levando em conta que muitos de seus candidatos são inexperientes e desconhecidos do eleitorado e que nenhuma eleição parlamentar foi realizada com o partido novato no páreo, o resultado é incerto.

Macron vem procurando aumentar seu apelo formando um governo que atraiu representantes dos partidos tradicionais – o Republicanos à direita e o Partido Socialista à esquerda.

Outras enquetes recentes também levaram a crer que o partido de Macron irá substituir os socialistas como maior legenda na câmara baixa do Parlamento.

A pesquisa Odoxa ainda mostrou que 58 por cento dos cidadãos franceses acredita que Macron será um bom presidente, enquanto 47 por cento crê que ele irá se sair melhor do que seu antecessor socialista, François Hollande.

Macron planeja aprovar uma reforma das leis trabalhistas até o final de setembro, portanto antes de iniciar as reformas do sistema de seguro-desemprego e de treinamento profissional mais perto do final do ano e a reforma previdenciária em 2018.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters