Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ativistas coletam assinaturas em petição contra candidatura de Budapeste para os Jogos Olímpicos de 2024; 15/02/2017 REUTERS/Laszlo Balogh

(reuters_tickers)

Por Krisztina Than

BUDAPESTE (Reuters) - Budapeste se aproximou nesta sexta-feira de uma possível retirada de sua candidatura para sediar os Jogos Olímpicos de 2024, podendo afetar ainda as tentativas dos organizadores de encontrarem uma cidade para realizar o evento, após diversos cancelamentos de candidaturas.

O movimento político húngaro Momentum coletou mais de 200 mil assinaturas em petição contra a candidatura, levantando a possibilidade de um referendo, relatou o jornal Magyar Nemzet nesta sexta-feira.

O prefeito de Budapeste, Istvan Tarlos, disse durante entrevista coletiva que, caso um referendo contra a candidatura seja acionado, ele irá "considerar seriamente" uma proposta de retirada.

Budapeste compete contra Paris e Los Angeles pelo direito de realizar os Jogos, um evento cujos preços cresceram bruscamente nos últimos 20 anos.

Caso a cidade retire a candidatura, ela se junta a Hamburgo, Roma e Boston entre as cidades que abandonaram a tentativa.

Um porta-voz do Momentum se negou a comentar sobre a reportagem do jornal antes de entrevista coletiva planejada para esta sexta-feira. Funcionários do governo e organizadores da candidatura também se negaram a comentar.

O Momentum, criado por um grupo de estudantes nascidos por volta de 1989, quando o regime comunista do país caiu, irá terminar de coletar assinaturas ao final de uma campanha de um mês e enviá-las ao escritório eleitoral de Budapeste.

A autoridade então irá decidir se há número suficiente de assinaturas válidas coletadas para pedir um referendo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters