Navigation

PGR pede que delatores da JBS expliquem repasses de R$9,8 mi a Wassef

Frederick Wassef comparece a evento no Palácio do Planlato em junho 17/06/2020 REUTERS/Adriano Machado reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 26. agosto 2020 - 20:44

BRASÍLIA (Reuters) - A Procuradoria-Geral da República (PGR) deu prazo de 10 dias para que delatores premiados da J&F expliquem repasses da JBS S.A. para o escritório de advocacia de Frederick Wassef no valor de 9,8 milhões de reais entre os anos de 2015 e 2020, segundo documento visto pela Reuters nesta quarta-feira.

Essa movimentação financeira milionária, conforme a PGR, foi registrada em relatório do Conselho de Controle das Atividades Financeiras (Coaf) e revelada em reportagem da revista eletrônica Crusoé da semana passada.

Wassef trabalhou para a família do presidente Jair Bolsonaro e está sob investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro.

O pedido de explicações da equipe do procurador-geral foi feito no âmbito de uma apuração preliminar que a PGR abriu para saber se os repasses tiveram influência no acordo de colaboração premiada fechado por executivos do grupos com a cúpula do Ministério Público Federal.

Procurados, Wassef e os delatores não responderam aos pedidos de comentário de imediato.

Augusto Aras --assim como os antecessores Rodrigo Janot e Raquel Dodge-- defende a rescisão do acordo de delação de executivos do grupo após apontarem supostas irregularidades.

O Supremo Tribunal Federal (STF) chegou a incluir esse caso na pauta do plenário em junho, mas posteriormente foi retirado em meio à pandemia do novo coronavírus. Não há data para ser julgado.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.