Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Piñera durante campanha em Santiago 20/9/2017 REUTERS/Ivan Alvarado

(reuters_tickers)

SANTIAGO (Reuters) - O candidato presidencial conservador Sebastián Piñera manteve a liderança na preferência do eleitorado chileno para a eleição de 19 de novembro e deve derrotar seus dois rivais mais próximos em um provável segundo turno, mostrou o instituto de pesquisa CEP nesta quarta-feira.

Piñera, empresário rico e ex-presidente que governou entre 2010 e 2014, é visto como mais forte no combate ao crime e na geração de empregos do que seus sete adversários, segundo a sondagem mais recente.

De acordo com a pesquisa, Piñera deve ter 32,8 por cento dos votos no primeiro turno, um aumento em relação aos 31,3 por cento da pesquisa anterior do CEP feita em 1o de setembro. O senador de centro-esquerda Alejandro Guillier apareceu com 13,8 por cento de apoio, menos do que os 14,5 por cento que havia registrado, e a postulante de esquerda Beatriz Sánchez perdeu cerca de três pontos percentuais e hoje está com 7 por cento das intenções de voto.

Uma vitória de Piñera agradaria o empresariado do Chile, que culpa a atual presidente, Michelle Bachelet, pelo crescimento econômico lento no maior exportador de cobre do mundo.

Mas ela decepcionaria a base de centro-esquerda de Bachelet e uma geração mais jovem de chilenos urbanos que espera mudanças mais profundas no antigo modelo econômico de livre mercado do país.

Se nenhum dos candidatos conquistar mais de 50 por cento das urnas em 19 de novembro um segundo turno entre os dois mais bem colocados será realizado em dezembro.

A pesquisa com 1.424 chilenos, feita entre 22 de setembro e 16 de outubro, tem uma margem de erro de três pontos percentuais.

         (Por Dave Sherwood)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters