Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Katharine Houreld

NAIRÓBI (Reuters) - Piratas sequestraram um navio petroleiro com oito tripulantes do Sri Lanka a bordo, informou uma autoridade da Somália nesta terça-feira, a primeira vez que têm sucesso em tomar uma embarcação comercial desde 2012.

Especialistas disseram que o navio era um alvo fácil e que os proprietários de embarcações estão relaxando depois de um período longo sem muitos ataques.

O Aris 13 enviou um pedido de socorro na segunda-feira, desligou seu sistema de rastreamento e mudou o curso, rumando para a cidade portuária somali de Alula, disse John Steed, do grupo de ajuda Oceanos Além da Pirataria.

"O navio relatou que estava sendo seguido por dois esquifes ontem à tarde. Depois desapareceu", contou Steed, especialista em pirataria que está em contato com forças navais que procuram o petroleiro.

Aeronaves da força naval regional EU Navfor estão no ar em busca do navio, disse.

"Os piratas sequestraram o navio petroleiro e o trouxeram para perto de Alula", disse Mohamud Ahmed Eynab, comissário distrital da cidade, à Reuters por telefone nesta terça-feira. Piratas em Alula confirmaram que aguardam o navio.

O governo do Sri Lanka informou que o Aris 13 tem oito tripulantes do país a bordo e que navega com bandeira das Ilhas Comores.

Dados de sistemas da Reuters mostraram que o navio de 1.800 toneladas de porte, que viajava de Djibouti a Mogadício, fez uma curva acentuada pouco depois de passar pelo Chifre da África.

O Aris 13 pertence à empresa panamenha Armi Shipping e é administrado pela Aurora Ship Management, dos Emirados Árabes Unidos, de acordo com o site de dados de navegação Equasis, mantido pelo Ministério do Transporte da França.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters