Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Fayaz Bukhari

SRINAGAR, Índia (Reuters) - O principal comandante de um grupo islâmico foi morto na Caxemira, território sob controle da Índia, nesta terça-feira, disse um policial, o que desencadeou protestos e levou as autoridades a suspenderem os serviços de trem e de internet.

Abu Dujana, do grupo militante Lashkar-e-Taiba, foi morto a tiros com um cúmplice no distrito de Pulwama, no sul da capital de verão da região, Srinagar, informou o porta-voz da polícia, Manoj Pandita.

Em ação com base em uma denúncia, a polícia iniciou uma busca no vilarejo de Hadripora nas primeiras horas do dia e matou os dois durante um confronto violento, disse Pandita.

Dujana foi implicado em vários ataques de militantes no sul da Caxemira, e havia uma recompensa equivalente a 23.400 dólares por sua cabeça.

Um manifestante foi morto e vários ficaram feridos em conflitos que irromperam em vários pontos da Caxemira após o incidente.

A Caxemira vive sob tensão desde que um líder militante popular foi morto pouco mais de um ano atrás, o que provocou choques que deixaram mais de 90 civis mortos.

A Índia vem lutando para restaurar a normalidade na Caxemira, região de maioria muçulmana que Índia e Paquistão reivindicam totalmente, mas controlam parcialmente.

A Índia acusa o Paquistão de infiltrar militantes através de uma fronteira extraoficial para que realizem ataques, uma acusação que Islamabad nega.

Reuters