Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Sonya Dowsett

MADRI (Reuters) - A polícia armada da Espanha realizou operações em diversas gráficas e redações de jornais na Catalunha nos últimos dias em uma busca por cédulas de votos, urnas e panfletos para serem usados em um referendo pela independência em 1º de outubro, que Madri se opõe veementemente.

As buscas, que até o momento não tiveram resultados, são parte de um esforço do governo de prevenir que a votação siga em frente, em meio a temores de que uma votação para separação possa gerar uma crise política mesmo que a Espanha não reconheça o resultado.

Nesta sexta-feira, o governo aprovou medidas para aumentar controle sobre os gastos da região para fazê-la parar de usar verba estatal para pagar pela votação, e anteriormente nesta semana Madri convocou mais de 700 prefeitos catalães para questioná-los sobre apoio à votação.

"Eles estão perseguindo os prefeitos, a imprensa, as gráficas. Eles estão esticando o limite da democracia", disse Albert Batet, prefeito da cidade de Valls e um dos convocados para interrogatório.

O presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que enfrenta acusações criminais por organizar o referendo, disse que possui mais de 6 mil urnas de voto prontas para entrega no mês que vem, mas seus paradeiros são um segredo.

Toni Castejon, porta-voz da força policial catalã, disse que é como encontrar uma agulha em um palheiro.

    "No momento, não temos ideia de onde estão", disse.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters