Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Operação policial em Berlim após roubo de moeda de ouro de museu alemão 12/07/2017 REUTERS/Fabrizio Bensch

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - A polícia da Alemanha prendeu várias pessoas nesta quarta-feira durante operações em Berlim ligadas ao roubo de uma moeda de ouro de 100 quilos avaliada em cerca de 4 milhões de dólares que estava em um importante museu da cidade.

Fotos mostraram policiais armados e usando balaclavas do lado de fora de uma propriedade da área de Neukoelln.

"No momento estamos realizando buscas e executando mandados de prisão em vários locais de Berlim com relação à invasão do museu Bode em março", disse a polícia da cidade alemã.

O roubo improvável, ocorrido em um dos museus mais prestigiosos de Berlim, localizado no centro da capital e protegido por vidros à prova de balas, surpreendeu os alemães.

A moeda canadense, que é chamada de "Grande Folha de Bordo" e traz a imagem da rainha Elizabeth 2ª, é feita de ouro puro e tem um valor material de cerca de 4 milhões de dólares -- seu valor de face é de cerca de um milhão de dólares.

Com 53 centímetros de diâmetro e 3 centímetros de espessura, a moeda até entrou no livro dos recordes Guinness por seu grau de pureza sem igual. Ela foi emprestada ao Museu Bode em 2010.

A polícia havia dito que ela provavelmente foi levada por um grupo de assaltantes que invadiu o museu por uma janela, possivelmente com uma escada, e também disse que acredita que a moeda tenha sido derretida.

O Bode tem uma das maiores coleções de moeda do mundo – mais de 540 mil itens.

A mídia alemã mostrou uma foto de um homem sendo levado pela polícia com uma peça de roupa branca sobre a cabeça para disfarçar sua identidade.

(Por Madeline Chambers)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters