Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Tenista norte-americana Venus Williams durante partida no Aberto da França, no estádio Roland Garros. 02/06/2017 REUTERS/Christian Hartmann

(reuters_tickers)

Por Rory Carroll

(Reuters) - A tenista norte-americana Venus Williams, que já foi a número um do mundo, foi a motorista responsável por um acidente com dois carros na Flórida em 9 de junho que resultou na morte de um passageiro do outro veículo, de acordo com o relatório inicial da polícia sobre a batida.

As notícias sobre a colisão fatal perto da casa de Venus em Palm Beach Gardens vieram à tona em reportagens na quinta-feira, dias antes de a atleta de 37 anos viajar à Inglaterra para competir no torneio de Wimbledon, que começa na semana que vem e que ela venceu cinco vezes.

Um relatório do acidente apresentado pelo policial que o investiga, obtido pela Reuters na quinta-feira, aponta que Venus teve culpa por não ceder a mão preferencial a outro motorista em um cruzamento de quatro pistas.

O relatório disse que a outra condutora, Linda Barson, de 68 anos, havia acabado de entrar no cruzamento diante de um semáforo verde quando relatou ter visto o carro da tenista "cortar pela frente" e ter sido "incapaz de evitar bater no carro" de Venus.

Outro motorista que viu o acidente também disse à polícia que Barson avançou com um sinal verde quando Venus cruzou à sua frente.

De acordo com o relatório, Venus disse à polícia que entrou no cruzamento depois de sair de outra rua diante de um sinal verde, mas que esperou em uma pista de conversão até o tráfico diminuir e depois seguiu em frente sem ver Barson.

"O motorista (do carro de Venus) errou por não dar a preferencial", concluiu o policial responsável pela investigação.

O passageiro do carro de Linda Barson, identificado no relatório como Jerome Barson, de 78 anos, foi levado para um hospital na Flórida. Ele morreu 13 dias depois, de acordo com o médico legista da região de Palm Beach.

Reuters