Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais disparam gás lacrimogêneo contra manifestantes em Nairóbi 2/10/2017 REUTERS/Thomas Mukoya

(reuters_tickers)

Por George Obulutsa

NAIRÓBI (Reuters) - A polícia disparou gás lacrimogêneo contra manifestantes da oposição que se reuniram na capital do Quênia, Nairóbi, nesta segunda-feira pedindo a demissão de autoridades do conselho eleitoral que culpam pela eleição presidencial fracassada de agosto.

Policiais também se chocaram com multidões e usaram gás lacrimogêneo em Kisumu, bastião opositor do oeste do país, forçando negócios a fecharem, disse uma testemunha da Reuters. A mídia local relatou protestos dispersos por outras cidades do oeste e na cidade portuária de Mombasa.

A Suprema Corte queniana invalidou a votação de 8 de agosto citando irregularidades, mas sem responsabilizar qualquer indivíduo do conselho eleitoral.    

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, que venceu a eleição mas teve sua vitória anulada, acusou o alto tribunal de deixar a nação à beira do "caos judicial". O líder opositor Raila Odinga e seus apoiadores direcionaram sua ira contra o conselho eleitoral, que acusaram de errar ao atribuir a vitória a Kenyatta.

Apoiadores dos dois lados vêm trocando insultos e acusações e despertando o temor de que as tensões degenerem em violência ética – como em 2007, quando 1.200 pessoas foram mortas após uma eleição disputada.

Na capital da potência econômica do leste africano, a polícia disparou gás lacrimogêneo contra grupos pequenos durante várias horas em ao menos três locais do distrito comercial do centro, segundo uma testemunha da Reuters.

Kenyatta e Odinga vêm se digladiando a respeito de propostas de mudanças no sistema eleitoral para evitar que a Suprema Corte volte a anular resultados, causando dúvidas sobre a data de uma nova votação, atualmente marcada para 26 de outubro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters