Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Michael Georgy

BAGDÁ (Reuters) - A polícia iraquiana encontrou nesta segunda-feira 15 corpos, incluindo os de três mulheres mortas com tiros na cabeça em uma execução no estilo de milícias, em um começo sangrento do feriado muçulmano que marca o fim do período de jejum do Ramadã, disseram fontes do setor de segurança.

A polícia encontrou os 15 corpos em diferentes partes da capital, Bagdá, disseram fontes do setor de segurança. Entre eles estavam três mulheres de 25 a 30 anos que tinham sido algemadas e executadas com tiros na cabeça em uma área industrial ao norte do distrito xiita de Sadr City.

Não foram dados mais detalhes.

Aumentou no país o medo do retorno aos dias sombrios da guerra civil sectária que teve seu auge em 2006-2007, depois que no mês passado militantes sunitas se apoderaram de amplas áreas no norte, ampliando as conquistas de seus aliados no oeste do Iraque.

O Exército iraquiano, financiado e treinado pelos Estados Unidos, não conseguiu fazer frente ao rápido avanço dos militantes islâmicos sunitas. Agora, as milícias xiitas se equiparam às forças do governo nos confrontos com o grupo rebelde antes conhecido como Exército Islâmico do Iraque e do Levante.

Os necrotérios de Bagdá estão novamente cheios de vítimas da violência sectária, os sequestros estão aumentando e o derramamento de sangue tem forçado famílias a fugirem para o exterior ou se mudarem para bairros onde se sintam menos ameaçadas.

A celebração deste ano do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, está sendo marcada pela incerteza e a apreensão enquanto os insurgentes se preparam para avançar sobre Bagdá e os políticos iraquianos não chegam a um acordo para formar um governo com divisão de poderes, capaz de enfrentar os rebeldes.

(Reportagem adicional de Raheem Salman)

Reuters