Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policial francesa na entrada da residência de luxo em Paris onde Kim Kardashian foi assaltada. 03/10/2016. REUTERS/Gonzalo Fuentes

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - A polícia da França prendeu 17 pessoas nesta segunda-feira por suspeita de ligação com o assalto à estrela de reality show Kim Kardashian, que foi rendida em um apartamento de Paris por criminosos que levaram 9,5 milhões de dólares em joias e depois fugiram de bicicleta.

Muitas das prisões, feitas em ações coordenadas da polícia em diferentes partes da França, foram de figuras conhecidas da criminalidade, com mais de 50 anos de idade, e pelo menos três eram mulheres, disse um representante policial. 

Os assaltantes armados, usando máscaras de ski e roupas com símbolos da polícia, invadiram a propriedade de luxo onde Kim estava dormindo no início de 3 de outubro, amarraram-na sob a mira de armas e fugiram levando um anel e outras joias, de acordo com a polícia. 

A maioria das prisões nesta segunda-feira aconteceu na região de Paris. Uma foi na cidade de Rouen, ao norte, e outra em Grasse, perto da costa da Riviera. 

Relatos da imprensa francesa disseram que traços de DNA recuperados no local do crime levaram a polícia aos suspeitos, os quais serão levados para interrogatório em Paris, por até quatro dias. 

Kim, que é casada com o rapper norte-americano Kanye West, ficou bastante abalada com o assalto, mas não fisicamente machucada. 

O assaltou chegou às manchetes de todo o mundo e trouxe uma publicidade negativa para uma das cidades mais visitadas do mundo, onde hotéis e o setor de turismo têm lutado para retomar as atividades comerciais após ataques de militantes islâmicos em 2015.

Reuters