Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Campo de imigrantes e refugiados na fronteira da Grécia com a Macedônia 21/05/2016 REUTERS/Kostas Tsironis

(reuters_tickers)

ATENAS (Reuters) - Pelo menos 13 pessoas suspeitas de pertencerem a uma organização criminosa internacional responsável por garantir a travessia de imigrantes sem documentos para outros países europeus foram presas, disseram autoridades gregas nesta sexta-feira.

Uma operação para desmantelar a organização estava em andamento na ilha de Creta, e a Agência Nacional do Crime do Reino Unido também estava envolvida, disse a polícia.

Creta, ilha mais ao sul da Grécia, fica ao norte da Líbia e do Egito. O chefe da guarda costeira local, Dimitris Saitakis, disse aos repórteres que pelo menos 13 suspeitos foram presos, bem como 131 imigrantes que se escondem em cavernas ou armazéns.

"Este é um forte golpe para o crime organizado em Creta", disse Saitakis, acrescentando que espera que o número de prisões aumente "dramaticamente".

A imprensa grega disse que os detidos eram imigrantes do Egito e do Paquistão e refugiados sírios.

Mais de 60.000 imigrantes e refugiados estão presos em campos na Grécia devido ao fechamentos de fronteiras nos Balcãs, que interrompeu sua viagem para o norte e oeste da Europa.

Para os refugiados, a única saída legal da Grécia é através de um programa de realocação da União Europeia para outros Estados-Membros, que tem progredido lentamente. Aqueles que não são elegíveis para asilo enfrentam a deportação.

Na quinta-feira, a guarda costeira disse que havia detido três imigrantes, um dos quais estava escondido em uma mala, quando tentavam embarcar em uma balsa da Ilha de Lesbos, no leste do Egeu, para o continente.

(Reportagem de Karolina Tagaris)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters