Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Nyimas Laula

KARANGASEM, Indonésia (Reuters) - O temor de que um vulcão entre em erupção na ilha turística de Bali levou vários países a emitirem alertas de viagem, e as autoridades da Indonésia correm para retirar dezenas de milhares de pessoas que moram na "zona de perigo".

Austrália, Nova Zelândia, Cingapura, Estados Unidos e Reino Unido emitiram advertências no final de semana e nesta segunda-feira avisando que o aumento da atividade vulcânica no monte Agung, no leste de Bali, pode interromper os voos de um dos destinos turísticos mais populares do mundo.

"Dada a possível erupção do monte Agung, os cingapurianos deveriam adiar viagens que não sejam essenciais às áreas afetadas nesta conjuntura", disse o Ministério das Relações Exteriores de Cingapura em um comunicado publicado na Internet.

O aeroporto internacional de Bali operava normalmente nesta segunda-feira, assim como os pontos turísticos da ilha.

    As autoridades indonésias impuseram uma zona de exclusão de 12 quilômetros ao redor da cratera.

Ainda nesta segunda-feira a Agência Nacional de Gerenciamento de Desastres disse que cerca de 62 mil pessoas vivem dentro da "zona de perigo" ao redor do vulcão e que todas precisam ser retiradas, embora até agora só 50 mil tenham ido para os abrigos temporários providenciados em vilarejos vizinhos.

A Indonésia, que se situa no chamado Círculo de Fogo do Pacífico, tem quase 130 vulcões ativos, mais do que qualquer outro país. Muitos indonésios moram perto de vulcões porque os fluxos de lava podem tornar o solo e a terra circundantes férteis para o plantio.

    (Reportagem adicional de Jessica Damiana e Kanupriya Kapoor em Jacarta)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters