Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Príncipe britânico William 07/04/2017 REUTERS/Hannah McKay

(reuters_tickers)

LONDRES (Reuters) - O príncipe britânico William disse que o choque de perder sua mãe, a princesa Diana, duas décadas atrás permanece, dias depois de seu irmão caçula, Harry, ter falado de sua própria luta para lidar com a morte da mãe.

Diana morreu em um acidente de carro em Paris em agosto de 1997, quando William tinha 15 anos e Harry tinha 12. Os comentários desta semana foram os mais íntimos que os príncipes já fizeram a respeito do pesar por sua mãe.

"O choque é a maior coisa, e eu ainda o sinto 20 anos mais tarde em relação à minha mãe", disse William em um documentário da rede BBC sobre vítimas de doenças mentais que irão participar da Maratona de Londres que será exibido na quinta-feira.

"Ainda sinto o choque dentro de mim. As pessoas dizem 'o choque não pode durar tanto', mas dura. Você nunca supera isso, é um momento tão inacreditavelmente imenso na sua vida que nunca deixa você. Você simplesmente aprende a lidar com ele", disse William em trechos divulgados nesta quarta-feira.

Os dois irmãos se pronunciaram devido a seu envolvimento em uma campanha de conscientização dos desafios impostos pelas doenças mentais e para incentivar as pessoas a falarem abertamente, ao invés de conter suas emoções.

Na terça-feira William divulgou uma conversa em vídeo com a cantora norte-americana Lady Gaga, que vem lutando com um estresse pós-traumático desde que foi estuprada aos 19 anos de idade, e alertou os britânicos que manter "o nariz empinado" e não falar sobre seus sentimentos é prejudicial à saúde mental.

Na segunda-feira Harry disse em uma entrevista a um jornal que chegou perto de um "colapso total" em várias ocasiões e que buscou aconselhamento quando já tinha quase 30 anos para lidar com a dor da perda da mãe.  

(Por Michael Holden)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters