Reuters internacional

Primeira-ministra britânica, Theresa May, pede a realização de uma eleição antecipada em anúncio em frente a seu escritório na Downing Street. 18/04/2017 REUTERS/Toby Melville

(reuters_tickers)

Por Elizabeth Piper e Kylie MacLellan

LONDRES (Reuters) - A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, pediu nesta terça-feira a realização de uma eleição antecipada em 8 de junho, dizendo ser a única maneira de garantir a estabilidade política por muitos anos enquanto o país negocia a saída da União Europeia.

A libra subiu diante do dólar enquanto May falava, refletindo o alívio dos investidores temerosos mediante rumores de uma renúncia súbita da premiê. Os títulos de dez anos do governo britânico tiveram uma leve alta.

"Acabei de comandar uma reunião do gabinete na qual concordamos que o governo deveria convocar uma eleição geral a ser realizada no dia 8 de junho", disse May em um pronunciamento inesperado diante de seu escritório em Downing Street.

"Foi com relutância que decidi que o país precisa desta eleição, mas é com grande convicção que digo que ela é necessária para garantir a liderança forte e estável que o país precisa para atravessarmos o Brexit (processo de separação da UE) e ir além".

May disse que irá apresentar um projeto de lei na quarta-feira para abrir caminho a uma eleição antecipada. Pela legislação atual, a próxima eleição só ocorreria em 2020.

Atualmente o Partido Conservador, de May, que ficou dividido quanto à questão da filiação à UE antes do referendo do ano passado, está bem à frente do Partido Trabalhista, a principal legenda de oposição, de acordo com pesquisas de opinião.

O líder trabalhista, Jeremy Corbyn, disse aprovar a decisão de May de convocar uma eleição antecipada, indicando que sua legenda vai conceder o apoio necessário para a realização da eleição.

"Eu aprovo a decisão da primeira-ministra de dar ao povo britânico a chance de votar por um governo que vai priorizar o interesse da maioria", disse Corbyn em comunicado enviado por email.

May argumentou que essa é uma chance única de realizar uma eleição enquanto a UE ainda elabora sua posição nas negociações do Brexit. A premiê disse que o governo tem o plano certo para negociar a desfiliação e que não haverá mudança de curso.

(Reportagem adicional de William James, Kate Holton e Andy Bruce)

Reuters

 Reuters internacional