Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policial russo do lado de fora do prédio da embaixada britânica em Moscou 13/03/2018 REUTERS/Sergei Karpukhin

(reuters_tickers)

Por Guy Faulconbridge e Michael Holden

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido deu à Rússia até a meia-noite desta terça-feira para explicar como um agente nervoso da era soviética foi usado contra um ex-agente duplo russo em território britânico, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que repreenderá a Rússia se indícios britânicos incriminarem Moscou.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, que na segunda-feira disse ser "altamente provável" que a Rússia esteja por trás do envenenamento de Sergei Skripal e de sua filha, recebeu apoio de alguns dos principais aliados europeus do Reino Unido e da da União Europeia, que denunciou o ataque descrevendo-o como "chocante" e ofereceu ajuda para rastrear os responsáveis.

Jens Stoltenberg, secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), disse que o ataque foi "horrível".

Mas Moscou sinalizou ser pouco provável que responda ao apelo de Londres por uma explicação crível até quarta-feira. Negando ter desempenhado qualquer papel no ataque, que deixou Skripal, de 66 anos, e sua filha Yulia, de 33 anos, em estado grave, a Rússia disse que ignorará o ultimato até que Londres entregue amostras do agente nervoso usado e cumpra as obrigações internacionais para investigações conjuntas de tais incidentes.

"Quaisquer ameaças de adotar 'sanções' contra a Rússia não ficarão sem resposta", disse o Ministério das Relações Exteriores russo em um comunicado. "O lado britânico deveria entender isso".

A Rússia terá uma eleição presidencial no domingo, na qual o presidente Vladimir Putin, ele mesmo um ex-espião da KBG, deve conquistar um quarto mandato no Kremlin com facilidade.

Skripal, ex-membro da inteligência militar russa, entregou dezenas de agentes russos à inteligência britânica até ser detido em Moscou e preso em 2006. Em 2010 ele foi libertado em uma troca de espiões e recebeu refúgio no Reino Unido, onde vivia discretamente na cidade de Salisbury até ser encontrado inconsciente ao lado da filha em um banco público em 4 de março.

Na segunda-feira, May disse que seu país identificou a substância como pertence ao grupo de agentes nervosos conhecido como Novichok, desenvolvido pelos militares soviéticos nos anos 1970 e 1980.

Somando-se às mensagens de solidariedade do presidente francês, Emmanuel Macron, e da nova coalizão de governo da Alemanha, a expressão de apoio de Trump deu a May uma esperança adicional de cortejar endosso ocidental para seu governo, que parece a caminho de uma disputa de forças com a Rússia.

"O presidente Trump disse que os EUA estão com o Reino Unido até o fim, concordando que o governo russo precisa fornecer respostas não ambíguas sobre como esse agente nervoso chegou a ser usado", disse um porta-voz de May em comunicado.

Se nenhuma resposta satisfatória de Moscou for recebida até a meia-noite do horário de Londres, May provavelmente delineará a reação britânica no Parlamento na quarta-feira.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters