Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, durante coletiva de imprensa em Canberra 05/12/2017 AAP/Mick Tsikas/via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Tom Westbrook

SYDNEY (Reuters) - O primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, proibiu nesta quinta-feira sexo entre ministros e funcionários, e se voltou contra seu vice pelo "erro chocante de avaliação" de ter tido um caso com uma secretária de imprensa.

O vice-premiê Barnaby Joyce, católico que fez campanha em prol dos "valores familiares" e foi casado durante 24 anos, está esperando um filho com sua ex-funcionária para abril.

Turnbull denunciou o caso em uma coletiva de imprensa em Canberra após uma semana na qual o escândalo provocou caos em seu governo e tensionou a aliança entre seu Partido Liberal e o Partido Nacional, de Joyce.

Ele não chegou a destituir Joyce, já que sua maioria de apenas um assento no Parlamento ficaria ameaçada se o vice fosse expulso.

Mas Turnbull disse que o escândalo deu ensejo a mudanças já tardias nas regras de conduta ministeriais, e anunciou novos padrões bastante semelhantes a uma proibição a relacionamentos entre parlamentares e funcionários adotada pelo Congresso dos Estados Unidos na semana passada.

"Em 2018, não é aceitável um ministro ter um relacionamento sexual com alguém que trabalha para ele. É uma prática muito ruim no ambiente de trabalho. E todos sabem que nada de bom sai disso", afirmou.

"Ministros, independentemente de serem casados ou solteiros, não devem se envolver em relacionamentos sexuais com funcionários. Fazê-lo constituirá um rompimento das normas".

O premiê disse que as mudanças entram em vigor "a partir de hoje", e que Joyce "terá que refletir sobre sua própria posição" como líder do Partido Nacional.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters