Navigation

Premiê da Nova Zelândia admite ter usado cannabis "há muito tempo"

Primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, durante debate em Auckland 22/09/2020 Fiona Goodall/Pool via REUTERS reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. setembro 2020 - 14:17

Por Praveen Menon

WELLINGTON (Reuters) - A líder do partido governista da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse que experimentou cannabis "há muito tempo" quando questionada durante um acalorado debate ao vivo nesta quarta-feira, antes das eleições gerais de 17 de outubro.

Ardern é amplamente cotada a conquistar um segundo mandato devido ao seu sucesso em conter a Covid-19, mas sua rival, a líder conservadora do Partido Nacional Judith Collins, tem recuperado apoio.

Os neozelandeses também estão votando em duas outras questões --a legalização da cannabis recreativa e da eutanásia--, tópicos que dividiram as opiniões no país.

No segundo debate eleitoral, realizado nesta quarta-feira, quando questionada pelo moderador se ela já usou cannabis, Ardern disse: "Sim, usei, há muito tempo."

Mas ela afirmou que só revelará de que forma votou no referendo sobre a cannabis após a eleição.

"Tomei uma decisão clara de que quero que o povo da Nova Zelândia decida isso e que não seja sobre política", disse ela.

Collins, no entanto, afirmou que nunca usou cannabis e que votaria contra.

No amplo debate, as duas líderes também foram questionadas se o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, era uma influência perigosa no mundo.

Collins disse que Trump havia se saído bem recentemente no acordo de paz entre Israel e algumas nações do Golfo.

"Na verdade, isso é melhor do que a guerra. Ele não está pronto para entrar em guerra", afirmou Collins.

Ardern retrucou, dizendo: "É uma preocupação quando a melhor coisa que você pode dizer é que não tivemos guerra?"

Ardern, no mês passado, criticou os comentários de Trump de que a Nova Zelândia estava vivenciando um aumento nos casos de Covid-19, classificando-os como "patentemente errado".

"A ideia de que seríamos comparados ao surto nos Estados Unidos pelo presidente Trump, eu rejeito totalmente e mantenho minha resposta", reiterou Ardern, cuja marca de liderança progressista, inclusiva e compassiva levou algumas pessoas a rotulá-la de "o anti-Trump".

A Nova Zelândia teve 25 mortes relacionadas ao coronavírus, um dos menores índices do mundo, enquanto as mortes nos Estados Unidos ultrapassaram 200 mil.

(Por Praveen Menon)

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.