Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, durante reunião semanal do gabonete em Jerusalém 01/01/2017 REUTERS/Gali Tibbon/Pool

(reuters_tickers)

JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta quarta-feira que apoiava o perdão ao jovem soldado israelense condenado por assassinar a tiros um agressor palestino deitado no chão, ferido e imóvel, na Cisjordânia ocupada.

A decisão de julgar o sargento Elor Azaria, que matou o palestino depois que o agressor esfaqueou um outro soldado israelense em março passado, provocou desde o início polêmica em Israel, com políticos de direita defendendo depois do veredicto que o presidente Reuven Rivlin perdoasse o réu de 20 anos.

"Este é um dia difícil e dolorido, primeiro e principalmente para Elor, a sua família, soldados israelenses, muitos cidadãos e pais de soldados, entre eles eu. Eu apoio conceder um perdão para Elor Azaria”, disse Netanyahu na sua página no Facebook.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Reuters