Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeira-ministra britânica Theresa May em Halifax, na Inglaterra. 18/05/2017 REUTERS/Dan Kitwood

(reuters_tickers)

HALIFAX, Inglaterra (Reuters) - A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, prometeu tornar mais difícil que companhias estrangeiras assumam o controle de empresas britânicas e ameaçou combater a exorbitante remuneração de executivos.

Descrevendo as propostas de seu Partido Conservador nesta quinta-feira antes da eleição do dia 8 de junho, May também disse que vai garantir que qualquer grupo estrangeiro comprando infraestrutura nos setores de telecomunicações, defesa e energia britânicos não mine a segurança ou serviços essenciais.

Marcando um afastamento do caráter de livre mercado perseguido pelos conservadores por décadas, May disse que os governos tem um papel a desempenhar na supervisão de como empresas são comandadas.

"Nós acreditamos que as pessoas devem ser recompensadas por seus talentos e esforços, mas o público está corretamente afrontado com a remuneração de alguns líderes corporativos", disse o Partido Conservador em seu documento de políticas eleitorais.

De acordo com o plano, pacotes de pagamentos de executivos serão alvo de rígidas votações anuais de acionistas e as companhias com ações em bolsa terão que publicar a proporção da remuneração dos executivos em relação à remuneração da força de trabalho mais ampla.

Os conservadores disseram que companhias buscando comprar negócios britânicos também precisarão ser claras sobre suas intenções desde o início do processo de licitação e que todas as promessas feitas durante a aquisição devem acarretar em compromissos legais.

O governo também ganharia o poder de pausar o processo para permitir maior fiscalização.

(Por William James)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters