Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líderes árabes participam de cúpula no Mar Morto 29/3/2017 REUTERS/Mohammad Hamed

(reuters_tickers)

(Reuters) - Depois de semanas de espera inquieta para conhecer a postura dos Estados Unidos sob a nova gestão do presidente Donald Trump, líderes árabes reafirmaram nesta quarta-feira seu compromisso com uma solução de dois Estados para o conflito israelo-palestino de décadas.

Eles pediram uma nova rodada de conversas de paz baseada em uma solução de dois Estados e renovaram uma oferta de "reconciliação" de 2002 contanto que Israel se retire de terras árabes ocupadas e concorde com um acordo sobre os refugiados palestinos, de acordo com um comunicado lido após uma cúpula.

Trump preocupou líderes árabes e europeus em fevereiro ao indicar que está aberto a uma solução de Estado único, revertendo uma posição adotada por sucessivos governos norte-americanos e pela comunidade internacional.

Mais tarde Trump disse à Reuters em uma entrevista que gosta do conceito da solução de dois Estados, mas não chegou a reafirmar o compromisso dos EUA com um eventual Estado palestino, dizendo que ficaria "satisfeito com o que quer que deixe as duas partes felizes".

Os líderes árabes presentes à cúpula de um dia perto do Mar Morto não se referiram publicamente a Trump ou a seus comentários ambíguos, mas fizeram questão de enfatizar que continuam apoiando um Estado palestino independente e também criticaram duramente a persistência da construção de assentamentos judeus em territórios ocupados.

O anfitrião da cúpula, o rei Abdullah da Jordânia, disse que a criação de um Estado palestino ao lado de Israel continua sendo a base de qualquer acordo de paz árabe-israelense abrangente.

(Por Ali Sawafta e Suleiman Al-Khalidi)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters