Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BOGOTÁ (Reuters) - O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pediu nesta quarta-feira à Justiça e aos organismos responsáveis que acelerem as investigações por corrupção que envolvem congressistas e ex-magistrados e pediu punições exemplares para os que forem considerados culpados.

A reivindicação de Santos vem depois de um pedido da Procuradoria-Geral do país para que uma comissão legislativa investigue três ex-presidentes da Corte Suprema de Justiça, dois congressistas e um político supostamente envolvidos em uma rede de corrupção em troca de decisões judiciais.

"Peço a todas as instâncias que adiantem as investigações (relacionadas com casos de corrupção) de maneira rápida e sem contemplações. Necessitamos de ações rápidas, contundentes, para que as instâncias responsáveis possam dar resultados rápidos", disse Santos em uma cerimônia de governo.

"Na luta contra a corrupção, temos que ser duros e temos que perseverar. Vamos ganhar a batalha contra a corrupção. Me dói verificar que a corrupção tenha chegado a escalões tão altos do Estado", acrescentou.

De acordo com a Procuradoria, uma gravação do ex-procurador anticorrupção Luis Gustavo Moreno, preso e que teve a extradição pedida pelos Estados Unidos, revela uma situação similar com os políticos e magistrados.

Moreno foi processado por conspiração para lavagem de ativos, após exigir dinheiro de um ex-governador de um Estado colombiano para não envolvê-lo em uma investigação.

Outros escândalos de corrupção sacudiram a Colômbia nos últimos meses, incluindo o da construtora brasileira Odebrecht, além de desfalques na saúde e na educação públicas.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters