Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente Juan Manuel Santos faz discurso em Guayaquil 15/2/2017 REUTERS/Henry Romero

(reuters_tickers)

BOGOTÁ (Reuters) - O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, admitiu nesta terça-feira que fundos de sua campanha eleitoral de 2010 foram obtidos ilegalmente e pediu perdão à nação por seu ato "vergonhoso".

Santos, que concorreu naquele ano e em 2014, disse que "rejeita e condena" os pagamentos ilegais e que não tem conhecimento nem autorizou qualquer financiamento obtido ilegalmente durante a campanha.

"Lamento profundamente e peço perdão a todos os colombianos por este ato vergonhoso, que jamais deveria ter acontecido e do qual acabei de saber", disse Santos em um comunicado.

Ele pediu uma investigação minuciosa de suas duas campanhas na esteira das alegações de que ambas receberam dinheiro da empreiteira brasileira Odebrecht. Ele pediu que os envolvidos esclareçam o que ocorreu o mais cedo possível.

Ele não mencionou a Odebrecht em sua declaração.

Procuradores dos Estados Unidos alegaram que a Odebrecht pagou centenas de milhões de dólares de propina para projetos de infraestrutura em 12 países, incluindo Brasil, Argentina, Colômbia, México e Venezuela, entre 2002 e 2016.

Óscar Iván Zuluaga, candidato do partido de oposição de direita Centro Democrático e rival de Santos em 2014, também está sendo investigado pelas autoridades eleitorais pela suspeita de ter recebido dinheiro da Odebrecht.

(Por Helen Murphy)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters