Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jornais trazem na primeira página notícias sobre eleição local no Estado de Osun e sobre o surto de Ebola, em Osogbo, no sudoeste da Nigéria, nesta sexta-feira. 08/08/2014 REUTERS/Akintunde Akinleye

(reuters_tickers)

ABUJA (Reuters) - O presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, declarou estado de emergência nacional nesta sexta-feira devido ao surto de Ebola no país mais populoso da África e aprovou 11,7 milhões de dólares em fundos de emergência para conter a doença.

A Nigéria confirmou sete casos de Ebola na sua capital comercial, Lagos, desde que um homem ficou doente ao chegar da Libéria, dois dos quais morreram. Várias dezenas de pessoas que entraram em contato com o homem estão sob vigilância.

O porta-voz de Jonathan, Reuben Abati, disse que o dinheiro será destinado a "fortalecer as medidas para conter o vírus, tais como... centros adicionais de isolamento, gestão de casos, implantação de pessoal adicional, rastreio das fronteiras, e aquisição de itens e equipamentos necessários".

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta sexta-feira que a epidemia de Ebola na África Ocidental constitui uma emergência de saúde internacional e que o vírus, que já matou cerca de mil pessoas, poderia continuar se espalhando por meses.

O presidente nigeriano advertiu contra "espalhar informações falsas sobre o Ebola que podem levar a histeria, pânico e desorientação, incluindo sugestões não confirmadas sobre a prevenção, tratamento, cura e propagação do vírus."

Ele também pediu a líderes religiosos para evitar a realização de grandes encontros que podem transmitir o vírus e solicitou às escolas para estender suas férias de verão.

Todas as mortes causadas pela doença devem ser comunicadas às autoridades, acrescentou Jonathan. O estado de emergência deve vigorar até que o surto esteja contido.

(Reportagem de Felix Onuah)

Reuters