Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Tunísia, Beji Caid Essebsi, discursa em Túnis 10/5/2017 REUTERS/Zoubeir Souissi

(reuters_tickers)

Por Tarek Amara

TÚNIS (Reuters) - O presidente da Tunísia, Beji Caid Essebsi, ordenou nesta quarta-feira que o Exército proteja instalações de produção de fosfato, gás e petróleo, após protestos com objetivo de interromper a produção ocorrerem no sul do país.

Esta é a primeira vez que tropas na Tunísia serão enviadas para proteger instalações industriais vitais à economia do país. Protestos e greves nos anos recentes custaram bilhões de dólares ao Estado.

Há diversas semanas, cerca de mil manifestantes na província de Tatouine, onde a italiana ENI e a austríaca OMV possuem operações de gás, têm exigido empregos e uma distribuição da receita de recursos naturais da área.

Manifestações também ocorreram em outra província no sul, em Kebili, e nesta quarta-feira a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar um tumulto em uma cidade a oeste de Túnis, após um vendedor de frutas atear fogo contra si mesmo em protesto contra a polícia.

Em um incidente similar à autoimolação em 2011 que deu origem ao levante que derrubou o autocrata Zine El-Abidine Ben Ali, o vendedor em Tebourba jogou gasolina sobre si mesmo e se incendiou. Ele foi hospitalizado e tumultos tiveram início.

Seis anos após o levante, a Tunísia tenta decretar reformas sensíveis para ajudar no crescimento, mas muitos jovens desempregados no sul do país ainda sentem que recebem poucas oportunidades. O envio de forças militares irá ocorrer imediatamente, disse Essebsi.

“É uma decisão séria, mas deve ser aplicada para proteger nossos recursos”, disse em discurso à nação. “Nosso caminho democrático se tornou ameaçado e a lei deve ser aplicada, mas iremos respeitar liberdades”.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters