Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Equipe médica trabalha com Médicos Sem Fronteiras (MSF) para tratamento do ebola em Serra Leoa. Foto de 20 de julho. REUTERS/Tommy Trenchard

(reuters_tickers)

FREETOWN (Reuters) - O presidente de Serra Leoa visitou o centro de tratamento de vítimas de um surto de ebola nesta segunda-feira, enquanto líderes da África Ocidental intensificavam os esforços para conter a propagação do vírus mortal.

Foi a primeira visita de Ernest Bai Koroma ao distrito nordeste de Kenema desde o início da epidemia, que já matou cerca de 672 pessoas na Guiné, Libéria e Serra Leoa, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), tornando-o o pior surto até agora.

Serra Leoa tem o maior número de casos de ebola, de 525, superando a vizinha Guiné, onde o vírus foi registrado pela primeira vez em fevereiro. Um homem liberiano morreu da doença na Nigéria, na semana passada.

O presidente foi para Kenema de helicóptero, após uma sessão de oração no Estádio Nacional, na capital Freetown, para marcar o fim do mês muçulmano de jejum.

Koroma, um cristão, disse à congregação muçulmana que planejava visitar o xeique Omar Khan, o principal especialista de ebola no país que testou positivo para o vírus na semana passada.

Agora, Khan é um paciente em um centro de tratamento de ebola gerido pela organização Médicos Sem Fronteiras, em Kailahun.

No entanto, o ministro da Informação, Alpha Kanu, disse à Reuters que Koroma não conseguiu chegar a Kailahun devido à falta de combustível e havia retornado para Freetown depois de parar em Kenema. O presidente deve viajar para Kailahun na terça-feira, afirmou Kanu.

Vários outros membros da equipe médica contraíram a doença, incluindo dois médicos norte-americanos que trabalham na Libéria.

Koroma disse no sábado que o governo pretende intensificar os esforços para conter a doença, com vista a acabar com o surto dentro de 60 a 90 dias.

A nova estratégia se concentrará no rastreamento de contatos, vigilância, comunicação e mobilização social, serviços sociais, logística e suprimentos, disse ele.

(Reportagem de Umaru Fofana)

Reuters