Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, durante entrevista com a Reuters, em Taipei 27/04/2017 REUTERS/Tyrone Siu

(reuters_tickers)

Por Fabian Hamacher

TAIPÉ (Reuters) - A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, prometeu nesta terça-feira defender a liberdade e a democracia em meio à pressão crescente da China, aproveitando um discurso feito no dia da nação para alertar que a ilha autoadministrada não se curvará.

A China considera a democrática Taiwan uma província rebelde, e jamais abdicou do uso da força para manter a ilha sob seu controle.

As relações com Pequim se deterioraram acentuadamente desde que Tsai, que lidera o pró-independência Partido Democrático Progressista, tomou posse no ano passado. A China suspeita que a presidente almeja a independência formal da ilha.

A China suspendeu um mecanismo de diálogo frequente com Taiwan, intensificou exercícios militares ao redor da ilha e aumentou a pressão internacional para limitar a atuação diplomática de Taiwan.

Tsai, que se comprometeu a manter a paz com a China, disse que seu governo continua buscando avanços nos laços com Pequim e prometeu políticas coerentes e estáveis.

"Precisamos lembrar que a democracia e a liberdade são direitos obtidos através dos esforços incontáveis de todo o povo de Taiwan", disse Tsai.

"Portanto, precisamos usar todo nosso poder para defender os valores democráticos e de liberdade e o estilo de vida de Taiwan".

O discurso de Tsai ocorreu uma semana antes de a China realizar o Congresso do Partido Comunista, evento que acontece duas vezes por década e no qual o presidente chinês, Xi Jinping, que vem adotando uma abordagem contundente em disputas territoriais nos mares do Leste e do Sul da China, se consolidará no poder.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters