Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente do Equador, Lenin Moreno 12/04/2018 REUTERS/Daniel Tapia

(reuters_tickers)

QUITO (Reuters) - O presidente do Equador, Lenín Moreno, fez um ultimato na segunda-feira para que o líder do grupo armado que sequestrou e assassinou dois jornalistas equatorianos e seu motorista na fronteira com a Colômbia se entregue à Justiça em um prazo de 10 dias, ou enfrente a morte.

O governo do Equador mantém operações militares conjuntas com a Colômbia em sua fronteira compartilhada para capturar Walter Artízala, conhecido como "Guacho", acusado de sequestrar e assassinar uma equipe de reportagem do jornal El Comercio.

"Damos 10 dias para que Guacho se entregue, esse criminoso desumano, que se entregue à Justiça ou que, caso contrário, acompanhe nossos queridos irmãos em seu trânsito, mas naturalmente, com outra direção", disse Moreno durante evento na cidade de Manta.

"Escolheu mal o cenário, escolheu mal o inimigo... Somos um país de paz e assim queremos continuar, a qualquer custo", acrescentou.

Artízala é o líder da Frente Oliver Sinisterra, um grupo dissidente das antigas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que não aceitou os termos do acordo de paz firmado com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, em 2016 para acabar com o conflito que já durava mais de meio século.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters