Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Alexandra Valencia

QUITO (Reuters) - O presidente do Equador, Lenín Moreno, designou a ministra do Desenvolvimento Urbano do país, Maria Alejandra Vicuña, para substituir o preso Jorge Glas como vice-presidente enquanto Glas é investigado em um escândalo de corrupção centrado na empreiteira brasileira Odebrecht.

Em um drama político que abalou o pequeno país andino, Glas foi preso na noite de segunda-feira após procuradores determinarem que ele estava ligado ao pagamento de propinas pela Odebrecht. Ele não foi acusado formalmente.   

Glas, um aliado próximo do ex-presidente de esquerda Rafael Correa e que serviu como seu vice-presidente e ministro de setores estratégicos, manteve sua inocência e reivindicou que o novo governo de Moreno busca prejudicá-lo para obter ganho político.

Moreno anunciou nesta quarta-feira que Vicuña, uma discreta ex-parlamentar do partido governista Aliança País, irá assumir a função de vice-presidente durante a “ausência temporária” de Glas.

A investigação sobre Glas e seu afastamento do atual governo causou uma ruptura entre Moreno e seu antecessor e antigo mentor Correa, que diz que Glas é a vítima inocente de uma caça às bruxas política.

Tensões devem crescer ainda mais entre os dois políticos, com Moreno planejando um referendo para o início de 2018 para banir políticos eleitos de concorrerem a reeleição indefinida, uma ação amplamente vista como mirada para impedir Correa de se tornar presidente novamente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters