DUBAI (Reuters) - O presidente do Irã, Hassan Rouhani, culpou os Estados Unidos e seus aliados regionais nesta quinta-feira por um ataque suicida no sudeste do país que matou 27 membros da Guarda Revolucionária iraniana, disse a TV estatal do Irã.

A Guarda disse na quarta-feira que um agressor suicida dirigindo um veículo carregado de explosivos atacou um ônibus que transportava membros da Guarda na província de Sistão-Baluchistão.

Um grupo militante sunita, Jaish al Adl (Exército da Justiça), que afirma buscar mais direitos e melhores condições de vida para a minoria étnica baluchis, reivindicou responsabilidade pelo ataque, informou a mídia iraniana.

"O crime permanecerá como uma 'mancha' no histórico negro dos principais apoiadores do terrorismo na Casa Branca, Tel Aviv e outros agentes regionais", disse Rouhani.

Além de Israel, Rouhani não citou outros Estados da região que ele acredita serem culpados. O Irã, predominantemente xiita, não reconhece Israel, que é um aliado-chave dos EUA e vê Teerã como uma ameaça à sua existência.

Repetindo alertas feitos por alto comandantes da Guarda, Rouhani disse que o Irã está determinado a levar à Justiça os responsáveis por um dos piores ataques contra a Guarda Revolucionária em anos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.