Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Carme Forcadell deixa prisão de Alcala Meco no banco de trás de carro após pagar fiança 10/11/2017 REUTERS/Juan Medina

(reuters_tickers)

Por Alba Asenjo

MADRI, 10 Nov (Reuters) – A presidente do Parlamento catalão, Carme Forcadell, foi solta da prisão nesta sexta-feira, mas os termos com os quais concordou em troca de poder sair sob fiança aparentemente a impedem de fazer campanha como candidata pró-independência nas eleições regionais do mês que vem.

Forcadell compareceu diante da Suprema Corte na quinta-feira para responder a acusações de rebelião, sedição e uso indevido de fundos públicos por ter permitido uma declaração de independência da legislatura da Catalunha no final de outubro, o que levou o governo central da Espanha a assumir o controle da região.

A política foi solta mediante uma fiança de 150 mil euros depois de concordar em renunciar a qualquer atividade política que contrarie a Constituição espanhola, de acordo com o veredicto do tribunal. Estes termos ameaçam minar ainda mais um movimento pró-secessão no qual já surgem fissuras.

Segundo fontes da corte, na quinta-feira ela disse que a declaração de independência não tem obrigatoriedade legal.

O juiz Pablo Llarena disse que o tribunal pode reconsiderar sua decisão de soltá-la se encontrar indícios de que ela cometeu outros delitos, na prática barrando sua campanha separatista para a eleição de 21 de dezembro.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, convocou a eleição após a declaração de independência, dissolveu o Parlamento catalão e demitiu o governo do presidente catalão, Carles Puigdemont.

Na ocasião, Forcadell descreveu as ações de Rajoy como "golpe" e "ataque contra a democracia", enquanto Puigdemont classificou a declaração como um grande passo para o estabelecimento de um Estado catalão independente.

Na terça-feira, o PDeCAT, partido de Puigdemont --que viajou para Bruxelas depois de ser deposto-– foi incapaz de combinar uma chapa unificada para disputar a eleição com outro partido separatista, diminuindo as esperanças do campo pró-independência de levar adiante sua tentativa de separação da Espanha após a votação.

As autoridades espanholas continuam a investigar o papel de Forcadell no referendo independentista proibido, e a corte confiscou seu passaporte e ordenou que ela se reporte às autoridades judiciais uma vez por semana.

Um grupo catalão pró-independência, a Assembleia Nacional Catalã, disse ter pago a fiança de Forcadell e convocado um protesto para o sábado no qual exigirá a libertação de outros líderes catalães.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters