Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BEIRUTE (Reuters) - O presidente libanês, Michel Aoun, informou neste domingo que a liberdade do primeiro-ministro, Saad al-Hariri, era restrita em Riad, a primeira vez que o governo libanês publicamente manifesta acreditar que a Arábia Saudita esteja mantendo no país contra sua vontade.

Aoun disse que Hariri estava vivendo em "circunstâncias misteriosas" em Riad, o que "chegou ao ponto de restringir sua liberdade" e "as condições impostas abrangiam sua residência e seu contato até mesmo com membros de sua família".

Na quinta-feira, a Reuters citou autoridades sênior do governo libanês dizendo que as autoridades acreditavam que Hariri estivesse contra sua vontade em Riad, onde pediu sua demissão como primeiro-ministro em um movimento inesperado em 4 de novembro, um dia depois de desembarcar na Arábia Saudita.

Aoun afirmou que isso lançou dúvidas sobre qualquer coisa que Hariri tenha dito, ou que dirá, e suas declarações não podem ser consideradas uma expressão de sua vontade livre. Hariri deve conceder entrevista a uma emissora de televisão mais tarde neste domingo.

A Arábia Saudita negou que Hariri sejam mantido no país contra própria vontade ou que tenha sido forçado e renunciar como primeiro-ministro.

(Por Tom Perry)

((Tradução Redação São Paulo; 55 11 56447553))

REUTERS GM

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters