Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Polônia, Andrzej Duda, faz pronunciamento sobre vetos da reforma do Judiciário 24/07/2017 REUTERS/Kacper Pempel

(reuters_tickers)

Por Agnieszka Barteczko e Pawel Florkiewicz

VARSÓVIA (Reuters) - O presidente da Polônia, Andrzej Duda, anunciou inesperadamente nesta segunda-feira que irá vetar dois dos três projetos de lei de reforma judicial aprovados pelo Parlamento que desencadearam protestos em todo o país e levantaram preocupações dos Estados Unidos e União Europeia sobre uma politização dos tribunais.

Duda, um aliado do partido governista eurocético de direita Lei e Justiça (PiS), disse que embora concordasse com o governo sobre a necessidade de uma reforma do Judiciário, as medidas propostas não estavam em linha com a Constituição.

    A primeira-ministra Beata Szydlo, claramente desapontada, disse que seu governo não irá “ceder às pressões” para derrubar as reformas, mas não disse como o governo irá proceder. O PiS não possui votos suficientes no Parlamento para derrubar o veto de Duda.

    “Eu uso o direito do veto porque (as propostas) necessitam mudanças para garantir que estejam em conformidade com a Constituição”, disse Duda em discurso televisionado à nação, acrescentando que irá em breve apresentar suas próprias propostas.

    A ação de Duda parece ter pego o governo de surpresa, ao mesmo tempo em que recebeu um comentário cauteloso de Bruxelas. O líder do PiS, Jaroslaw Kaczysnki, político mais poderoso da Polônia, embora sem um cargo no governo, não comentou publicamente o veto.

    A reforma do Judiciário, somada à uma tentativa do PiS de expandir seus poderes para outras áreas, incluindo controle da mídia, tem provocado uma crise nas relações com a União Europeia e desencadeou um dos maiores conflitos políticos desde que a Polônia derrubou o comunismo, em 1989.

    Muitos poloneses veem o Judiciário como corrupto e dominado pelo modo de pensar da era comunista, mas outros veem os esforços de reforma do governo como uma tomada de poder que irá prejudicar a democracia polonesa. 

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

Reuters