Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O primeiro auditor-geral do Vaticano pediu demissão repentinamente dois anos depois de ser indicado para ajudar a garantir a transparência das finanças às vezes nebulosas da sede da Igreja Católica.

O comunicado breve divulgado pelo Vaticano nesta terça-feira não explicou a razão da renúncia de Libero Milone, dizendo meramente que ele a apresentou ao papa Francisco na segunda-feira e que este a aceitou.

Mas uma fonte do Vaticano a par dos acontecimentos que levaram à renúncia de Milone disse à Reuters: "É uma situação bem feia, e espero que não piore".

Quando Milone foi indicado em 2015, o cardeal George Pell, diretor do Secretariado de Economia do Vaticano, disse que ele teria autonomia, só responderia ao papa e teria liberdade de "ir a todo e qualquer lugar" do Vaticano para analisar as finanças e a administração de qualquer departamento.

Mas a fonte do Vaticano disse ter havido um "choque de estilos operacionais" entre Milone e os departamentos que seu escritório auditava, especialmente a Administração do Patrimônio da Sé Apostólica (APSA).

A APSA gerencia as holdings de imóveis do Vaticano em Roma e outros locais da Itália, paga os salários dos funcionários do Vaticano, atua como escritório de aquisições e departamento de recursos humanos e administra o portfólio de finanças e de ações do Vaticano.

O comunicado do Vaticano informou que o relacionamento de Milone com a Santa Sé, onde se esperava que servisse até 2020, foi encerrado "por acordo mútuo". A busca por um novo auditor-geral irá começar em breve.

Desde sua eleição em 2013, o papa Francisco adotou uma série de reformas para limpar as finanças às vezes sombrias do Vaticano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters