Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas observam homenagem deixada para vítimas de ataque em Nice, na França 17/07/2016 REUTERS/Pascal Rossignol

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - Um procurador público francês pediu a um tribunal nesta quinta-feira que ordene o recolhimento da edição mais recente da revista Paris Match das bancas devido à publicação de fotos explícitas do ataque do Dia da Bastilha em Nice um ano atrás, que deixou 86 mortos e centenas de feridos.

A revista disse que as imagens, que mostram um caminhão atropelando uma multidão que assistia aos fogos de artifício em uma avenida à beira-mar, foram retiradas do sistema de vigilância da cidade.

Outras fotos mostram o corpo ensanguentado do agressor tunisiano de 31 anos na boleia do caminhão alugado, uma selfie que o seguidor do Estado Islâmico tirou na tarde do ataque e outras feitas no mesmo local ao longo dos 12 meses anteriores.

O procurador de Paris pediu que a Justiça tome uma decisão emergencial para interromper a venda da edição mais recente, disse uma fonte judicial à Reuters.

As fotos "são um insulto à dignidade das vítimas", disse Eric Morain, advogado de várias associações de vítimas. Elas "criam uma atmosfera mórbida e voyeurística que não tem nada a ver com liberdade de informação", acrescentou, pedindo que as autoridades judiciais retirem a publicação de circulação.

O prefeito de Nice, Christian Estrosi, disse que as imagens são "insuportáveis e desprezíveis".

Em um comunicado publicado na internet, a Paris Match defendeu as imagens dizendo que sua função é informar o público e não permitir que as vítimas sejam esquecidas.

(Por Simon Carraud e Ingrid Melander)

Reuters