Navigation

Procuradores chilenos reabrem investigação sobre morte de professora norte-americana

Este conteúdo foi publicado em 05. setembro 2020 - 18:07

Por Aislinn Laing

SANTIAGO (Reuters) - A Procuradoria chilena anunciou que irá reabrir uma investigação frustrada sobre a morte da professora assistente norte-americana Erica Faith Hagan, que foi espancada até a morte em uma residência universitária no sul do Chile em 2014. 

A procuradoria disse em nota na noite de sexta-feira que tomou a decisão seguindo um pedido especial da mãe da vítima, Regina O'Neal. 

O gabinete disse ter instruído uma equipe de procuradores especializada em crimes violentos e violência de gênero para reexaminar o arquivo do caso e determinar novas investigações necessárias para identificar os "perpetradores diretos ou cúmplices do crime, ou qualquer um que tenha colaborado para obstruir a investigação". 

A procuradoria disse considerar que linhas de investigação potencialmente ignoradas, destacadas pela mãe de Hagan, justificariam "tomar ação para respeitar os direitos fundamentais da vítima, como o acesso efetivo à Justiça". 

Hagan, de 22 anos, era de Murray, no Estado norte-americano do Kentucky, e trabalhava como professora assistente de inglês e de educação religiosa na instituição Colegio Bautista, na cidade de Temuco, a cerca de 640 quilômetros da capital Santiago.

Seu corpo foi encontrado na banheira de seu dormitório estudantil no dia 6 de setembro de 2014. 

Em dezembro de 2015, Domingo Cofre, de 44 anos, um segurança da escola, foi absolvido de seu assassinato.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.