Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Daewoung Kim

BUSAN, Coreia do Sul (Reuters) - O homem que concedeu uma entrevista à BBC que viralizou na internet porque seus filhos o interromperam de maneira inesperada durante a transmissão ao vivo disse nesta quarta-feira que ficou lisonjeado com muitos "sentimentos gentis" expressados à sua família desde que milhões de pessoas assistiram ao vídeo.

Robert Kelly, professor-assistente norte-americano da Universidade Nacional de Pusan, na Coreia do Sul, falava à BBC via Skype sobre o impeachment da presidente do país, Park Geun-hye, quando sua filha entrou tranquilamente em seu escritório de casa.        

    Seu filho de 9 meses, James, entrou pouco depois em um andador, seguido por sua esposa, Kim Jung-a, que, aflita, procurou e retirou as duas crianças habilmente, enquanto Kelly tentava manter a compostura diante da câmera.

    "Somos uma família comum, e criar dois filhos pode dar muito trabalho", disse Kelly durante uma coletiva de imprensa na universidade. "Amamos muito nossos filhos, e estamos felizes que nossa gafe familiar –nosso erro familiar na televisão– tenha causado tanto riso a tantas pessoas."

    A filha de quatro anos de Kelly, Marion, que chamou atenção por seu top amarelo brilhante e seu jeito confiante, se sentou ao lado do pai durante a coletiva, e o bebê James ficou no colo da mãe.

    Em uma segunda entrevista à BBC nesta quarta-feira, Kelly disse que conseguia ver uma imagem espelhada do escritório na tela quando Marion entrou.

    "Estava torcendo para que minha filha se sentasse e lesse um livro ou algo assim, mesmo que durante 30 segundos, até podermos cortar a entrevista, mas assim que meu filho entrou no andador... não havia nada que eu pudesse fazer."

    O vídeo foi muito compartilhado nas redes sociais, e a maioria dos comentários expressou divertimento com o incidente. 

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters