Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Reuters) - Grupos de direitos civis deram entrada em dois processos nesta segunda-feira desafiando a controversa proibição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que transgêneros sirvam no Exército norte-americano.

Os dois processos argumentam que a proibição viola as garantias constitucionais norte-americanas de proteção igualitária e de processo justo de acordo com a Quinta Emenda, e uma das ações afirma também que a decisão viola o direito de livre discurso dos militares.

"Nós não comentamos sobre litígios em andamento ou pendentes", disse uma autoridade da Casa Branca.

Trump anunciou a proibição em uma série de tuítes no dia 26 de julho, revertendo uma política de seu predecessor, Barack Obama.

A mudança deteve anos de esforços para eliminar barreiras no serviço militar baseadas na orientação sexual ou identidade de gênero, incluindo a "Diretriz de Serviço Aberto" elaborada para permitir que transgêneros sirvam sem medo de serem dispensadas.

"O presidente Trump colocou de lado a rigorosa, baseada em evidências política da Diretriz de Serviço Aberto, e a substituiu por mitos desacreditados e estereótipos, especulação desinformada e hostilidade contra transgêneros", diz um dos processos, apresentado pela União Americana pelas Liberdades Civis.

A proibição foi amplamente percebida como uma tentativa de Trump, um republicano, para agradar sua base política conservadora.

(Reportagem de Jonathan Stempel em Nova York e Steve Holland em Washington)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters