Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da França, Emmanuel Macron, com o ministro Richard Ferrand, em evento de campanha em Paris. 10/12/2016 REUTERS/Benoit Tessier

(reuters_tickers)

Por Brian Love e Matthias Blamont

PARIS (Reuters) - Um promotor público francês abriu uma investigação nesta quinta-feira sobre negociações financeiras do líder da bem-sucedida campanha presidencial de Emmanuel Macron, em um novo foco de tensão em um acirrado ano eleitoral na França.

O inquérito vem 10 dias antes de uma eleição parlamentar em que Macron, de 39 anos, espera que seu novo partido político obtenha o controle da Assembleia Nacional, consolidando seu poder, após sua própria eleição no dia 7 de maio.

A investigação também acontece apenas algumas semanas depois do fim de uma campanha presidencial na qual dois dos principais adversários de Macron foram afetados por acusações de corrupção, e quando o governo do novo presidente prepara uma nova legislação anticorrupção.

O promotor da cidade Brest, no oeste da França, disse que decidiu abriu o inquérito após uma série de reportagens sobre as negociações financeiras de Richard Ferrand, ministro de planejamento territorial no novo governo de Macron e ex-socialista que se tornou um de seus principais e primeiros apoiadores.

O foco das reportagens é a gestão de Ferrand de um grupo de seguro de saúde na região da Bretanha há seis anos, especificamente uma decisão de alugar espaços para escritórios de sua mulher.

Outra questão é a contratação de seu filho por quatro meses como um assistente pago com fundos do Parlamento.

Ferrand negou qualquer irregularidade, e embora a contratação de familiares como assistentes parlamentares seja proibida em alguns países, a ação não é ilegal França.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters