Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Alexandra Ulmer e Maria Ramírez

CARACAS/PUERTO ORDAZ, Venezuela (Reuters) - Manifestantes bloquearam vias e entraram em confronto com as forças de segurança durante a eleição deste domingo para uma Assembleia Constituinte convocada pelo impopular presidente Nicolás Maduro com a promessa de iniciar uma "nova era de combate" no país atingido por uma grave crise.

Amplamente impopular por governar durante uma grave crise econômica, Maduro prometeu que a Assembleia irá restaurar a paz após quatro meses de protestos da oposição, durante os quais mais de 115 pessoas foram mortas.

Maduro, que tem sido hostilizado em eventos públicos recentes, votou às 6h deste domingo com pouca exposição.

Os partidos de oposição estão boicotando o que eles chamam de eleições fraudulentas. Seus simpatizantes ergueram barricadas em vias ao redor do país e travaram confrontos com as forças de segurança, que agiram rapidamente para dispersar manifestantes encapuzados.

Durante um protesto em Caracas, uma explosão deixou um grupo de policiais ferido e incendiou oito motos em uma avenida principal, de acordo com uma testemunha da Reuters.

As autoridades confirmaram três mortes durante o fim de semana, incluindo o assassinato de um candidato à Assembleia. No entanto, a oposição afirma que esse número é maior.

Críticos dizem que a Assembleia permitirá a Maduro dissolver o Congresso liderado pela oposição, atrasar futuras eleições e reescrever as regras eleitorais para evitar que os socialistas sejam expulsos do poder.

A oposição prometeu redobrar a resistência após o pleito e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou impor sanções econômicas mais amplas contra a Venezuela, sugerindo o aumento da crise na nação rica em petróleo.

"Mesmo que vençam hoje, isso não irá durar muito", disse a médica de 60 anos integrante da oposição Berta Hernández. "Continuarei nas ruas porque, em pouco tempo, isso vai acabar".

Maduro, ex-motorista de ônibus e líder sindical eleito em 2013, acusa governos de direita da América Latina e os EUA de tentarem sabotar o "socialismo do século 21".

"O ‘imperador’ Donald Trump queria tomar o direito de voto do povo venezuelano", disse Maduro ao votar rapidamente em uma área pobre da capital Caracas.

"Uma nova era de combate começará. Estamos indo com tudo nessa Assembleia Constituinte", acrescentou.

Mas com as pesquisas mostrando que cerca de 70 por cento dos venezuelanos se opõem à votação, o governo de Maduro quer evitar a baixa participação, o que prejudicaria sua legitimidade.

Os 2,8 milhões de funcionários públicos da Venezuela estão sob forte pressão para comparecerem às urnas – dezenas afirmaram à Reuters sofrer ameaças de demissão.

Os eleitores não são questionados na eleição deste domingo se desejam a Assembleia, apenas escolhem seus 545 membros em mais de 6.100 candidatos que representam uma ampla gama de aliados do Partido Socialista.

Pesquisas sugerem que a grande maioria dos venezuelanos se opõe à Assembleia. A oposição diz que mais de 7 milhões de eleitores --de uma população de cerca de 32 milhões-- rejeitaram de forma esmagadora a proposta de Maduro em um referendo não oficial organizado este mês.

Diante da grave crise, milhões de venezuelanos lutam para comer três vezes por dia devido à escassez de produtos e à inflação desenfreada que deixam fora de alcance itens básicos como arroz ou farinha.

Cenas de venezuelanos revirando lixo ou mendigando por comida se tornaram comum.

"Às vezes, eu deixo de comer para dar aos meus dois filhos", disse Trina Sánchez, de 28 anos, enquanto esperava pelo ônibus para ir ao trabalho. "Isso aqui é uma farsa. Eu quero arrebentar Maduro".

(Reportagem adicional de Girish Gupta, Andreina Aponte, Corina Pons e Brian Ellsworth, em Caracas; Anggy Polanco, em San Cristóbal; Mircely Guanipa, em Punto Fijo; e Francisco Aguilar, em Barinas)

Reuters