Reuters internacional

Manifestantes entram em confronto com a polícia durante protesto contra governo da Venezuela, em Caracas. 01/05/2017 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

Por Andreina Aponte e Girish Gupta

CARACAS (Reuters) - Cobrindo a boca com um pano, o cantor latino Nacho engasgou com gás lacrimogêneo em um protesto contra o governo da Venezuela no mês passado, enquanto a atriz mexicana Salma Hayek elogiou a coragem dos manifestantes e o jogador de futebol venezuelano Salomón Rondón os chamou de "heróis".

Uma década atrás, o carismático líder Hugo Chavez não somente persuadiu milhões a votarem em seu projeto na Venezuela, como atraiu ícones de Hollywood, estrelas do pop e intelectuais de destaque a apoiarEM publicamente seu "socialismo do século 21".

Mas agora, com centenas de milhares de manifestantes indo às ruas por mais de um mês para protestar contra a crise econômica e o que dizem ser uma "ditadura" do presidente de esquerda Nicolás Maduro, antigos defensores se calaram enquanto um novo grupo de celebridades torce pelos manifestantes antigoverno.

Desde o ator mais conhecido da Venezuela, Edgar Ramírez, ao nome de peso dos Estados Unidos Robert De Niro, mensagens de apoio para o mais prolongado movimento contra o governo na Venezuela desde 2014 estão vindo de todos os lados.

Os protestos, distúrbios e saques deixaram um saldo de 31 mortos e centenas de pessoas feridas e detidas.

"Como eu posso ficar calado quando é impossível ser indiferente em face a tanto sofrimento e tantas pessoas pagando com suas vidas?", disse o jogador de futebol Salomón Rondón, que cresceu no bairro de baixa renda de Catia, em Caracas, e agora joga na Inglaterra.

"Chega de repressão, chega de divisão, chega de violência, chega de mortes!", acrescentou.

Durante anos, estrelas como Danny Glover, Sean Penn, Naomi Campbell e Oliver Stone visitaram a Venezuela e apoiaram publicamente Chávez, que morreu em 2013. Há uma década Glover inclusive recebeu 18 milhões de dólares em financiamento do governo venezuelanos para um de seus filmes.

O astro argentino Diego Maradona mantém seu apoio a Maduro, assim como Ignacio Ramonet, editor do influente jornal de esquerda Le Monde Diplomatique. E, no ano passado, o ganhador do Oscar Jamie Foxx também visitou o presidente.

E, apesar do incentivo dos artistas que deram eco às demandas da oposição, como eleições adiantadas, muitas personalidades venezuelanos têm sido criticadas por não mostrarem uma postura mais firme com Maduro.

"Quero fazer um chamado aos líderes políticos para que encontrem as vias necessárias para sair dessa crise que afeta nossa querida Venezuela", disse o renomado diretor da Filarmônica de Los Angeles, Gustavo Dudamel, em vídeo publicado nas redes sociais.

Em resposta, um usuário chegou a compará-lo a Herbert von Karajan, o diretor austríaco da orquesta favorita de Adolf Hitler.

(Reportagem adicional de Andrew Cawthorne, Corina Pons, Diego Ore, Eyanir Chinea e Alexandra Ulmer)

Reuters

 Reuters internacional